Quarta-feira, 25 de Novembro de 2009

UMA ESTRANHA DITADURA II

 

+

O que está longe de não ser nada e que é preciso preservar a todo o custo enquanto ainda é tempo, a fim de nos libertarmos deste regime, desta estranha ditadura que julga poder dar-se ao luxo, de tão forte que é, de poder suportar um quadro democrático.

Qual é a urgência? Destruir radicalmente a sujeição às propagandas. Ter a paciência de identificar as falsas questões que escondem os verdadeiros problemas. Recusar manipular, sob o controlo dos que os exploram, os dados com que eles avançam e jogar assim, com eles, o jogo que se combate; e não cair, sob o protexto de encontrar soluções à pressa e a qualquer preço, na armadilha que faz escolher as que são previstas e determinadas  pelo adversário.

Prioridade, portanto, à recusa de deixar-se fascinar pelas questões adulteradas, repisadas incessantemente, que ocultam a realidade - e antes demais ao facto de que tomar essas questões como válidas, e como as únicas válidas, faz parte do problema. Por vezes, constitui o problema.

Ficar na ignorância dos verdadeiros problemas, dos seus verdadeiros lados, não deixa outra saída que não seja sofrêlos

do modo escolhido por aqueles que os criaram e que se asseguram assim da sua perpetuidade. Ora, nós debatemos e debatemo-nos em função dessas versões adulteradas, redundantes, apresentadas por aqueles que têm interesse em censurar as origens da situação e que as substituem pelas suas próprias conclusões, sobre forma de postulados. De maneira que é a partir desses postulados que daquí em diante serão considerados problemas...daqui em diante escamoteados. Um desses postulados, sem dúvida nenhuma essencial, decreta a prioridade do lucro; pressupôe-se a supremacia deste é obvia, a ponto de, sempre preponderante, nunca ser mencionado. Já não se tratará dele, mas, para todos os efeitos e em todas as circunstâncias, deverão ser obtidas as condições que o favoreçam; elas serão dadas como indespensáveis para outras causas, precisamente aquelas que essas próprias condições degradam, como causa do emprego.

Qualquer problema que tenha na origem o lucro será resoplvido partindo do dogma da sua necessidade e da afirmação que estabelece que o conjunto das populações depende dele e tira proveito dos lucros incomenseráveis que vão para alguns, sem os quais conheceria a sua perdição.

Imagine-se que só um insidioso e persistente trabalho de propaganda consegue criar e enraizar tais reflexos condicionados! O lucro nunca é exposto, ou então desempenha um papel altruísta, providencial (para aqueles que, na verdade, perde). Nunca é debatido, nunca é posto em causa, enquanto tudo se mobiliza para ir no seu sentido.

Vivemos presos no seio desse não-dito, de uma política inteiramente ligada a esse não-dito preponderante,tacitamente aceite, como lógicas tanto mais imparáveis quanto decorrem dele e não têm que ser demonstradas.

 

UMA ESTRANHA DITADURA de VIVIANE FORRESTER

TraduçãoFREITAS Da SILVA

publicado por POESIA-NO-POPULAR às 14:42
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Segunda-feira, 2 de Novembro de 2009

A OPRESSÃO ULTRALIBERAL

*

Se não existisse o desemprego, o regime ultra liberal inventá-lo-ia. Ele é-lhe indispensável. É ele que permite à economia privada manter sob o seu jugo a população planetária mantendo a «coesão» social, isto é, a sujeição.

A sua política ocupa.-se então em manter o respectivo conceito num contexto em que já não tem lugar e ameaça todos os indevíduos, com poucas excepções. Haverá algum meio mais eficaz de constrangimento? Haverá melhor garantia de «paz siocial»?

Na condição, todavia, de não perturbar a velha ordem de valores relativos ao desemprego e ao emprego, de levar uns à sua veneração, mesmo que os outros os espezinhem.

De considerar «arcaica» qualquer preocupação àqueles que sofrem a manutenção de talsituação,e qualquer crítica a uma modernidade que consiste em arranjar maneira  de o emprego ser tão fundamental para uns como o lucro para aqueles de que depende - enquanto empregos e lucros se tornam incompatíveis.

Portanto, na condição de evitar qualquer reavaliação, qualquer actualização,qualquer esclarecimento do sistema actual.

Donde a exaltação do culto do emprego à medida que o emprego  desaparece, como a focagem nele de toda a vida social e política, enquanto o desemprego se espalha.

Trata-se, enquanto este se encrusta,estrutural,de impor uma versão do emprego que dê a sua raridadepor acidental e furtiva, prestes a desaparecer - e de desdramatizar assim, muito oficialmente, a situação dos desempregados.De anunciar que só lhes é pedido um pouco de paciência e que seriam muito ingratos se não se comovessem com todas  as penas a que se sujeitam por eles enquanto eles nada fazem, como o esforço incansável  desenvolvido para encorajar as suas ilusões a propósito de promessas que é suposto já virtualmente cumpridas e , por fim, testemunhar essa confiança não tratando dos seus problemas, considerados praticamente resolvidos.

Essa boa consciência permite insinuar que o estado dos desempregados não se deve em nada às carências da sociedade, mas sim à sua própria incapacidade,azar ou falta de jeito. Ou ainda à sua preguíça.

 

Páginas 93 e 94 do livro UMA ESTRANHA DITADURA de VIVIANE FORRESTER

*

TU SOZINHO NÃO ÉS NADA JUNTOS TEMOS O MUNDO NA MÃO!

 

publicado por POESIA-NO-POPULAR às 22:31
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|

."MAIS SOBRE MIM"

.pesquisar

 

.Fevereiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

25
26
27
28


."POSTS RECENTES"

. QUEM TE VIU PORTUGAL!

. COM ABRIL NO PENSAMENTO

. OS POLÍTICOS

. VAMOS MONDAR ABRIL!!!!!!

. OS ALGOZES EM DELÍRIO.

. É URGENTISSIMO.

. A "CARIDADEZINHA"

. ACORDAI POVO!

. CAMINHOS ENVIESADOS

. CHOVEU NO FORMIGUEIRO

. ...

. "TEU SORRISO UM POEMA"

. HOJE COMO ONTEM!

. QUEM É... QUE CONTINUA A ...

. PARABENS CRAVO DE ABRI...

. SÁBADO 1 DE OUTUBRO

. DEMOCRACIA SEM ADJECTIVOS

. QUE MAIS TERÁ DE ACONTECE...

. FESTA DO ÁVANTE 2011

. "NÃO HÁ FESTA COMO ESTA2

. O TEMPO É DE LUTA!

. É URGENTE!

. SERÃO PRECISAS, AS PALAVR...

. JUNHO DE MÁ MEMÓRIA!

. COMO EU OS VEJO!

. ERA MAIO COM CHEIRO DE AB...

. DIA 29, CONTRA OS TIRANOS...

. A MINHA PRIMAVERA

. A BATOTA CONTINUA!

. PARABENS PCP

.arquivos

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Abril 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. DVD de ALFREDO MARCENEIR...

."LINKS"

blogs SAPO

.subscrever feeds